sábado, 25 de outubro de 2008

capítulo 2

À hora de almoço, Doutor Sade e Doutora Prazeres encaminharam-se com Doutora Crepe e Doutora Devassa para a Travessa Anselmo de Braancamp, muito próxima da dita empresa, mais em específico para um café onde voltaremos algumas vezes ao longo desta história.
No café, já esperavam Doutora Sabida e Doutor Perverso, bem como Veteraníssima Von Sherman e Veteraníssima Von Ingres.
Na mesa do lado, conversavam com um grande ar de intriga Dona Calores e Dona Pranto. Podemos dar as nossas mãos ao fogo se não estão a falar mal de alguém. Alguém que pertence quase de certeza ao Reino de Deus.
Mas os nossos quatro Doutores sentam-se na primeira mesa, e, resp0ndendo às perguntas, relatam a primeira manhã de trabalho, não se coibindo de manifestar a má impressão que tiveram de Conde Azul. As Veteraníssimas abanaram a cabeça. Há mais de 20 anos que trabalhavam naquela empresa, pelo que muito bem conheciam Conde Azul. Avisaram logo que esta péssima primeira opinião, contrariamente ao que por norma sucede, estava certa.
Doutora Devassa, com cinco anos de serviço naquele lugar, era particularmente crítica em relação ao vice presidente do sexo masculino. Claro está que esta repulsa toda não se devia exclusivamente ao facto de o considerar um mau profissional, além de muito inchado e pouco capaz. Devia-se, principalmente, ao facto do Conde Azul a ter tentado seduzir de uma forma tão declarada e infantil que só com muita ajuda da Santa Teresa de Ávila conseguiria ser bem sucedido. Mas já se sabe que no que toca a factos reais, os santos não têm grande disponibilidade.
Doutor Perverso também não era um fã de Conde Azul. Antes deste último ir parar sabe-se lá como ao Reino de Deus (A escalada até ao poder é feita por escarpas tudo menos óbvias e claras, na maior parte das vezes.), trabalhara de perto com Doutor Perverso que é talvez quem mais pode falar da incompetência deste superior que parece ser, afinal, tão inferior.
Enquanto almoçavam, os doutores mais experientes e as Veteraníssimas iam relatando várias histórias relativas ao Reino de Deus e às Mulheres a Dias, se bem que o faziam num tom jocoso e não num tom intriguista como as donas na mesa atrás, que ainda não pararam. Doutora Sabida não quis perder a oportunidade para explicar, por exemplo, como uma vez, durante uma apresentação de um projecto dela, Conde Azul dissera, sem vir muito a propósito
_Eu tenho uma caixinha de Chocapic em casa, para quando as minhas amigas lá vão dormir...
Mas, interrompemos a descrição das conversas do almoço precisamente para relatar a entrada, nada mais nada menos do que do próprio Conde Azul, e espero que o leitor não fique desiludido pelo facto de, à sua entrada não haver foguetes nem trombones.
Não, apenas uma porta que se abre , e entram este homenzinho muito moreno e totalmente vestido de preto, o que não é grande ideia, a falar muito alto, de forma extremamente exibicionista, para Madre Boca do Mundo, a sua acessora que o acompanha
_Gastei 500 euros numa colecção de filmes italianos...
diz, quase aos berros. Algumas pessoas do café olham, mas na mesa destes nossos doutores e das Veteraníssimas, havia como que um acordo silencioso de não dar atenção àquela metamorfose sem Kafka. Afinal de contas, a atenção inteligente não é para quem a quer, é para quem a merece.

8 comentários:

Von Sherman disse...

Estou muito interessada no desempenho do Conde Azul. Será o tipico Macho Latino? Muito negro por dentro e por fora, obscuro que baste e sempre histriónico no seu desempenho. Não estou a falar de sexo, embora quem tenha chocapic para seduzir umas miúdas não ultrapassou a Terra do Nunca do seu amigo Peter Pan. Serão IRMÃOS?
A história promete.
Quero mais.

doutor sade disse...

o conde azul é esta personagem que já sabemos... entre o brejeiro e o inaceitável... quanto a Chocapic, também eu gosto muito de os comer...

Von Sherman disse...

Caro Dr.Sade
Uma coisa é o Dr. gostar de comer Chocapic, outra coisa é pensar-se que com Chocapic as miúdas ficam seduzidas. Não seria melhor chocolate Ferrero Rocher como na publicidade? Ter um criado fardado mas descascado nos genitais e uma taça de bombons para qualquer eventualidade? Alguns bombons com pregos no recheio...
Uma cena PICANTE.

sleeping beauty disse...

O doutor Sade desculpe mas a Von Sherman é sádica!!
Pregos nos bombons Ferrero Rocher!!
Que horror.
Um criado descascado nos genitais!!
O clima está a ficar preocupante.
Não falta muito e temos Salo do Pasolini.
Cuidado com as palavras. Estou a avisar. Lembrem-se das famílias.
Numa coisa estamos de acordo, os leitores querem mais.

doutor perverso disse...

Eu sou, sem dúvida, quem melhor poderá falar do Conde Azul. Da mesma forma que ele saberá falar bastante de si quando se encontra com os discípulos. E sei que qualquer um que entre no seu apartamento, vem para se deitar e não para se sentar. É um bom anfitrião com certeza.

doutor sade disse...

Como sempre, a Veteraníssima Von Sherman percebe os meus pensamentos mais íntimos.

E, doutor Perverso, a minha dúvida continua a ser como conseguirá o nosso Conde Azul levar alguém para casa...

Dr. Sabida disse...

Já que foi um comentário meu que originou a discussão, decidi deixar o meu parecer, e dizer-lhe doutor Sade que sei de quem não se importaria nada de aconpanhar o Conde Azul a casa! Pessimo gostinho tem essas pobres de espirito! Mas em verdade, lá se vai o chocapic..

doutor sade disse...

tem razão, doutora Sabida. É um drama